Bem vindo à Clínica DE Psicologia Cognitiva

(11) 4108-2888

(11) 94862-2916

Sem categoria

Comments: Nenhum comentário

“Quem não se comunica, se estrumbica”. Você se lembra dessa frase? Esse era um jargão usado pelo saudoso Abelardo Barbosa, o famoso Chacrinha, repetido muitas vezes em seus programas de tevê na década de 80. Quem não se comunica se estrumbica principalmente quando o assunto é relacionamento amoroso.

O que a observação e a prática clínica têm me mostrado é que muitos namoros acabam e casamentos vão mal por conta da forma falha com que o casal comunica – na maioria das vezes não comunica – seus pensamentos, sentimentos e expectativas em relação ao outro para o outro, o que acaba gerando mágoa e frustração.

Vocês precisam aprender a falar!!! E quando digo falar, me refiro à falar com todas as letras. Sem rodeios. Sem indiretas. Deixar claro. Sem essa de “pra bom entendedor meia palavra basta”. Não basta! As coisas precisam ser ditas por inteiro. Quando deixamos subentendido damos margem a dupla interpretação.

“Mas eu já falei!” Então fala de novo. Ficar guardando fará com que vocês acumulem lixo emocional e esse lixo todo entre vocês, acabará por sufocar a relação. Não tem tesão que resista!

Encontrem uma forma de dialogar sobre as coisas que vocês pensam e como se sentem no relacionamento sem que, para isso, seja necessário instaurar uma discussão homérica com acusações, julgamentos e xingamentos. O objetivo é construir, melhorar, cuidar.

Aprendam a ouvir! Tão importante quanto falar é ouvir. Ouçam um ao outro. Ouçam com interesse, com atenção. Ouçam com a mente e com o coração abertos. Não sejam impulsivos em responder para derrubar o argumento do outro, tirar a sua razão e provar que está errado. Sem competição! Apenas ouça com empatia.

Querer melhorar é muito importante também. E nesse caso é importante que haja disponibilidade de ambos para quebrar o silêncio que se instala sorrateiramente. Cada um pode fazer apenas a sua parte. Um relacionamento mal cuidado ou negligenciado morre. Não esperem que isso aconteça com vocês!

Por: Daniela Nanni
Psicóloga Cognitivo Comportamental

Compartilhar
Deixe uma resposta